Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, 12 de junho de 2012

THOMSON REUTERS POINT CARBON E GOVERNO DO ESTADO DO RIO CRIAM PRIMEIRO MERCADO DE EMISSÕES NO BRASIL

A Thomson Reuters Point Carbon e o Governo do Estado do Rio de Janeiro anunciam a assinatura do decreto que cria o primeiro mercado estadual de emissões de carbono do Brasil. O decreto será assinado pelo governador Sérgio Cabral, no Pavilhão do Estado do Rio de Janeiro, Parque dos Atletas, um dos locais da Rio+20, amanhã (13/6), às 13h30, e contará com a presença do Secretário Estadual do Ambiente, Carlos Minc. Também estarão presentes o Secretário Estadual de Desenvolvimento do Estado do Rio de Janeiro, Julio Bueno, e o diretor do departamento de consultoria da Thomson Reuters Point Carbon, Nelson Sam.

 

O mercado de carbono do Estado do Rio de Janeiro terá como principal foco os maiores emissores do estado, e tem início previsto para 2013. A primeira fase da iniciativa ocorrerá entre 2013 e 2015. As fases seguintes, por sua vez, terão duração de cinco anos cada. Segundo o último inventário de gases de efeito estufa, o Estado do Rio de Janeiro emitiu aproximadamente 72 milhões de toneladas de dióxido de carbono equivalente (CO2e) em 2005, sendo o setor industrial responsável por aproximadamente 32% das emissões totais.

 

"O novo mercado estadual de carbono confirma a posição de vanguarda do Rio de Janeiro nas discussões ambientais e dá um passo a mais para que o nosso estado seja um centro de referência em ações em prol do desenvolvimento sustentável", comentou o governador Sergio Cabral.

 

O diretor do departamento de consultoria da Thomson Reuters Point Carbon, Dr. Nelson Sam falou sobre o projeto: “Estamos muito entusiasmados em trabalhar nessa iniciativa pioneira de criação de um mercado estadual de carbono.” Ele acrescentou que o mercado de carbono é um elemento importante de um projeto maior da Subsecretaria de Economia Verde, da Secretaria de Estado do Ambiente (SEA), para desenvolver o conceito de Economia Verde no estado.

 

A subsecretária de Economia Verde da SEA, Suzana Kahn, disse que o governo está em contato com governos de outros estados e também com o governo federal. “O Rio será um piloto e nós queremos engajar outros estados no processo para que, com o tempo, um mercado nacional de carbono possa surgir”, afirmou.

 

As empresas afetadas pelo mercado de carbono do Estado do Rio de Janeiro incluem a petrolífera Petrobras e a siderúrgica TKS. Outros setores industriais incluídos no mercado são os de cimento, cerâmicas, químico e petroquímico. O texto do decreto estabelece as regras do mercado, como a meta de redução, a distribuição das cotas de emissão e o uso de créditos de carbono para compensação parcial das emissões.

 

Mercados de carbono nacionais e regionais têm emergido em diferentes partes do globo. A exemplo do maior mercado de carbono já estabelecido na Europa (European Union Emission Trading Scheme - EU ETS), a iniciativa dos estados da costa oeste dos Estados Unidos, chamada Western Climate Initiative, reúne a Califórnia, British Columbia, Quebec, Ontário e Manitoba em uma colaboração para identificar e implementar políticas de combate às mudanças climáticas na esfera regional. A Califórnia também está criando seu próprio mercado de carbono, que irá sancionar apenas os setores indutriais e de geração de energia em um primeiro momento. A inclusão de outros setores se dará em 2013. A Iniciativa de Gases do Efeito Estufa Regional (Regional Greenhouse Gas Initiative – RGGI) é um mercado de carbono estabelecido entre nove estados da costa leste dos Estados Unidos que entrou em vigor em 2009. O mercado de carbono australiano começa em 2015.

 

Sobre a Thomson Reuters Point Carbon

 

A Thomson Reuters Point Carbon é um fornecedor de intelegência de mercado, notícias, análises e serviços de consultoria nos mercados de energia e sustentabilidade. Seu departamento de consultoria foi premiado em 2011 como a empresa de consultoria do ano pela Energy Risk Awards pelo desenvolvimento do primeiro projeto de NAMA (Nationally Appropriate Mitigation Action) no México.

Nenhum comentário:

Postar um comentário