Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

NOTICIAS MDL Logística Reversa: editais passam a ser publicados

Logística Reversa: editais passam a ser publicados (Ecodesenvolvimento)

O Ministério do Meio Ambiente (MMA) lançará este mês os dois primeiros editais para criação de acordos setoriais com orientações estratégicas para a implementação da logística reversa de lâmpadas fluorescentes e de embalagens e resíduos de óleos lubrificantes. A iniciativa é mais um passo rumo à implantação da lei. (Leia mais...)

 

Apenas 11% dos brasileiros sabem o que é a Rio+20 (Ecodesenvolvimento)

Segundo o estudo, realizado pelo Instituto Vitae Civilis em parceria com a Market Analysis, a divulgação da conferência está mais acessível às classes mais altas e aos consumidores com elevada escolaridade. A população mais informada sobre a Rio+20 está concentrada em Recife. O evento será realizado em junho de 2012. (Leia mais...)

sábado, 15 de outubro de 2011

INSTITUTO DE TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CRIA POSTE SOLAR AO CUSTO DE R$ 2 MIL E INTENSIFICA ESTUDOS EM SISTEMAS FOTOVOLTAICOS

O Poste tem a capacidade de manter a iluminação durante um período de seis horas

 

A busca por fontes alternativas e limpas de energia, que liberam menos gases e resíduos no meio ambiente, tem sido uma aposta do governo e das instituições de pesquisa para evitar impactos negativos na natureza. A luz do sol, fonte de energia limpa em abundância, tem despertado o desenvolvimento de uma série de pesquisas para a obtenção de materiais mais eficientes que convertam a energia da luz solar em energia elétrica, processo conhecido como efeito fotovoltaico.

 

Recentemente, a Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais (Cetec) instalou na entrada principal da entidade um poste de iluminação pública que funciona com energia solar. O projeto foi elaborado pela instituição em parceria com alunos do departamento de engenharia de energia do Instituto Politécnico da Universidade Católica de Minas Gerais (IPUC/PUC Minas).

Segundo do Cetec, trata-se do primeiro passo de uma série de ações que visam torná-lo referência em tecnologias para a cadeia de energia solar. “Queremos estabelecer na fundação uma plataforma para apoiar pesquisas nessa área”, aposta José Roberto Branco, coordenador do Setor de Materiais Ópticos e Eletrônicos (SDO), unidade responsável pelo projeto.

As atividades do grupo começaram em agosto deste ano. A instalação de postes em áreas pouco iluminadas da fundação foi a primeira proposta para testar a aplicabilidade da tecnologia. O “poste solar” instalado no Cetec, explica Branco, é um exemplo de sistema fotovoltaico, constituído por células ou módulos que convertem a luz solar em energia elétrica, mas também por outros elementos, como bateria (acumulador de energia); inversores de frequência; controlador de carga (responsável pela durabilidade da bateria e controle de energia) e carga (lâmpadas).

Durante o dia, explica Branco, a energia solar incide sobre o módulo fotovoltaico presente no poste, que converte a radiação do sol em eletricidade. Esta, por sua vez, é armazenada na bateria do sistema por meio de um processo eletroquímico. No início da noite, quando surge a necessidade de iluminação, a energia acumulada na bateria é disponibilizada para as lâmpadas.

O poste tem a capacidade de manter a iluminação durante um período de seis horas, período que pode ser redimensionado, além de ter autonomia de dois dias sem incidência de raios solares. Ele possui duas lâmpadas fluorescentes compactas de 15W, acionadas automaticamente por um interruptor fotossensível, que identifica a presença de luminosidade. Essas lâmpadas, além de serem mais eficientes em relação às incandescentes são de alta durabilidade, com preços mais acessíveis.

Toda a estrutura do poste custou aproximadamente R$ 2 mil. Os recursos para a realização do projeto são provenientes da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig). Segundo Branco, algumas empresas sinalizaram interesse em levar o potencial desse tipo de energia para o mercado. “As ações do Cetec nesta área estarão integradas com o governo de Minas Gerais, sob a liderança da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), que almeja desenvolver e promover o uso de energia renovável no Estado”.

O pesquisador ressalta que a energia solar possui uma série de aplicações potenciais, que vão desde a energização de brinquedos e eletroeletrônicos até o atendimento a pequenas comunidades isoladas ou distantes da rede elétrica. A tecnologia também atende usinas geradoras de energia fotovoltaica, com dezenas de mega-watts de potência.

Mas, cada uma dessas aplicações, dispostas em regiões diversas em termos climáticos, explica, impõe condições de uso distintas. “Nesse projeto iniciamos o estudo de relações entre variáveis dos sistemas fotovoltaicos. A abordagem verticalizada que existe na fundação, por meio do exame de materiais, dispositivos e processos em toda a cadeia de valores da energia solar fotovoltaica é única no Brasil”, informa.

As vantagens econômicas do uso da energia solar vão depender de alguns fatores como distância da rede elétrica, confiabilidade e portabilidade necessárias. Para o pesquisador, em breve a certificação verde será fator de competitividade entre as organizações e de preferência dos consumidores. “O custo benefício de um poste de energia solar pode ser bem mais baixo do que um comum. A mesma linha de raciocínio vale para outras aplicações”.

Entre outros projetos de energia solar desenvolvidos no Cetec, destaque para a implantação de sistemas de carregamento de baterias variadas na instituição, com disponibilização de pontos de recarga de acumuladores de energia gratuita. O grupo também estuda o uso de módulos fotovoltaicos em processos de bombeamento de água e irrigação para comunidades carentes e tratamento de efluentes.

Potencial brasileiro

A tecnologia fotovoltaica está em uso em diversos países, como a Alemanha, por exemplo, onde foram realizadas várias ações de mobilização da sociedade e do setor acadêmico, com grande investimento em projetos de pesquisa e desenvolvimento (P&D), além de políticas públicas de incentivo. O setor industrial alemão visualizou a oportunidade de negócio e investiu massivamente para produzir em grande escala matérias-primas, células, módulos fotovoltaicos e equipamentos eletroeletrônicos.

O Brasil, afirma Branco, possui todos os meios para criar e desenvolver um mercado fotovoltaico. Além do potencial de energia solar disponível e comprovado em todo território nacional, há grande conhecimento de toda a cadeia de produção pertinente. Todo esse conhecimento está localizado em instituições de pesquisas e universidades. “Sendo o Brasil um dos dez países que mais consomem energia no mundo, só ele e a Rússia ainda tem um uso inexpressivo de energia solar fotovoltaica”, ressalta.

Fonte: Revista Responsabilidade Social.com

 

sexta-feira, 14 de outubro de 2011

NOTICIAS AMERICA LATINA SOSTENIBLE

INDICADORES RELEVANTES PARA LOS PUEBLOS INDÍGENAS: UN TEXTO DE REFERENCIA  (InfoAndina)

 

Tanto los gobiernos como las agencias internacionales recopilan datos que les sirven para tener una visión, en términos cuantificables, del estado de la sociedad y el medio ambiente. La información que recogen depende de los indicadores que hayan seleccionado para medir y monitorear los avances en los temas que consideran importantes. Sin embargo, relativamente pocas instituciones recopilan información estadística sobre los pueblos indígenas. En gran medida, la situación de los pueblos indígenas no se refleja en las estadísticas o queda oculta en las medias nacionales. Pese a ello, se siguen elaborando políticas y se siguen implementando programas que tienen un enorme impacto en los pueblos indígenas. Es necesario que se recojan datos para medir este impacto. Desarrollar indicadores relevantes para los pueblos indígenas significa desarrollar modos de expresar su situación y problemas en términos numéricos. Esto puede hacerse a través de la creación de nuevos indicadores, que requieren nuevas formas de recolección de datos o, simplemente, del desglose de datos para garantizar que se refleja claramente la situación de los pueblos indígenas. En el nivel más básico, el simple desglose de algunos de los datos recogidos en el nivel nacional puede ayudar para detectar la discriminación, la desigualdad y la exclusión. Permite también comparaciones directas entre los pueblos indígenas y otros grupos sociales. Pero, sea cual sea el enfoque que se adopte, es crucial que los pueblos indígenas participen en la definición de los temas a tratar y de los indicadores a utilizar y que se tengan en cuenta sus propios conceptos de bienestar.

 

ISBN: 978-971-93566-5-3 ‘ Número de páginas: 604 p.

Editorial: Centro para la Autonomía y Desarrollo de los Pueblos Indígenas (CADPI)

Año de edición: 2008 - Lugar de edición: Nicaragua ‘ Instituciones relacionadas: España. Agencia Española de Cooperación Internacional para el Desarrollo.   ‘ Autor: Mairena, Dennis (ed)

 

 

NIMA ORGANIZA GRUPO DE ESTUDOS PARA DISCUTIR OS TEMAS QUE SERÃO OBJETO DA RIO + 20

O Núcleo Interdisciplinar de Meio Ambiente (NIMA) está organizando um Grupo de Estudo interdisciplinar de alunos e professores, destinado a estudar o tema: Mudança Climática e Planejamento Urbano, no contexto dos temas que serão objeto da Rio + 20 (Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, que acontecerá no próximo ano no Rio de Janeiro). Os encontros ocorrem às 15h30 no NIMA, nos dias 25/10, 01/11, 08/11, 22/11, 06/12, 20/12.

 

Esse grupo de estudos é parte das ações da PUC para o Climate Change Initiatice (CCI) da UN-Habitat. O Grupo será coordenado pela Professora Maria Fernanda Lemos do departamento de Arquitetura e Urbanismo. A primeira reunião ocorrerá no dia 25 de outubro as 15h30 no NIMA. As reuniões são abertas a todos os interessados.

 

O CCI-NIMA está conectado com o Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (UN-Habitat), que é a agência da ONU responsável por garantir a Sustentabilidade Ambiental nos assentamentos urbanos e facilitar a troca de experiências e informações sobre moradia e desenvolvimento urbano-ambiental em nível mundial.

 

A meta do CCI-NIMA é criar uma rede de universidades na América Latina comprometida com as mudanças climáticas. O CCI-NIMA pretende desenvolver uma cultura na universidade que seja capaz de gerar projetos, pesquisas e produtos para a mitigação das mudanças climáticas. Os compromissos firmados para adequar a Universidade às diretrizes estabelecidas pelo UN-HABITAT são:

 

* Implementar nos Domínios Adicionais disciplinas de meio ambiente que tratem das mudanças climáticas e seus impactos nas cidades e na sociedade como um todo.

* Estimular a criação de disciplinas que tratem da questão das mudanças climáticas em temáticas específicas.

* Fomentar a médio prazo a criação de linhas de pesquisa e cursos de mestrado e doutorado em diferentes áreas do conhecimento na questão das mudanças climáticas.

* Estimular projetos multidisciplinares em parceria com o poder público na área de mudanças climáticas.

* Criação pelo NIMA de um grupo multidisciplinar de pesquisa visando estudar as ações de adaptação e mitigação que as cidades do Estado do Rio de Janeiro devem implementar para se adequar as conseqüências dos processos das mudanças climáticas.

* Organização de eventos regionais para integração das universidades do Brasil em torno das diretrizes.

 

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

LINK UTEIS PARA OS PESQUISADORES DA BIODIVERSIDADE NA AMERICA LATINA E CARIBE

EL ACUERDO PARA LA CONSERVACIÓN DE BOSQUES TROPICALES - ACBT (TROPICAL FOREST CONSERVATION ACT - TFCA)  - http://www.tfcaperu.org/esp/index.html

Un fondo de canje de deuda por naturaleza entre el Perú y los Estados Unidos, suscrito el 26 de junio del 2002, en el marco de la Ley de Conservación de Bosques Tropicales (Ley Portman), promulgada en el Congreso de los Estados Unidos en el año 1998. Mediante este acuerdo, el gobierno peruano realiza desembolsos parciales en un plazo de 12 años por un total de 10.6 millones de dólares para destinarlo al financiamiento de proyectos que contribuyan a la conservación de bosques tropicales.

Adicionalmente, Conservation Internacional - CI, The Nature Conservancy – TNC, World Wildlife Fund - WWF y el Gobierno de los EEUU suscribieron un acuerdo donde éstas se comprometieron a contribuir con US$ 1,1 millones con el fin de que el Gobierno de los EEUU autorice la cancelación de US$ 5,5 millones de la deuda del Gobierno del Perú. Posteriormente, el Gobierno de Perú, CI, TNC, WWF y Profonanpe (como administrador del fondo) suscribieron el Acuerdo para la Conservación de Bosques Tropicales con el fin de especificar la manera en que los pagos efectuados por el Gobierno peruano serían usados.

 

 

LA REDE DE FONDOS AMBIENTALES DE LATINOAMÉRICA Y EL CARIBE –  REDLAC

http://www.redlac.org/index.php?option=com_content&view=category&layout=blog&id=59&Itemid=237&lang=es

 

En diciembre de 1997 se reunieron en Mérida, México, los Fondos Ambientales establecidos en la región de Latinoamérica y el Caribe, con la finalidad de diseñar un mecanismo de integración para crear una red de cooperación, capacitación y fortalecimiento institucional. Durante este Taller se incorporó un comité promotor

encargado de dar forma a lo que sería la agenda de trabajo de la Red de 1999 a 2001.

En octubre de 1999 se creó la Red de Fondos Ambientales de Latinoamérica y el Caribe, RedLAC, llevándose a cabo la primera Asamblea de RedLAC, donde se realizaron diferentes actividades que tenían como objetivo apoyar el concepto de fortalecimiento de los miembros en capacidades estratégicas para su operación. Posteriormente se definió la Misión de RedLAC como: Construir un sistema efectivo de aprendizaje, fortalecimiento, capacitación y cooperación, a través de una Red de Fondos Ambientales con el fin de lograr una gestión ambiental sustentable y conservar el patrimonio natural de América Latina y El Caribe para beneficio de su población.

 

 

Bolsas para pesquisadores (Ver REDCal)

 

Taller 5 sobre Esquemas de Compensación y Offset abre inscripciones. El Proyecto de Capacitación de RedLAC abre inscripciones para el quinto taller sobre Oportunidades para los Fondos Ambientales en Esquemas de Compensación y Offset. El taller tendrá lugar en los días 11 a 13 de noviembre, justo después de la XIII Asamblea General de RedLAC en Paramaribo, Suriname. El taller será coordinado por el equipo de BBOP.

 

FIAES - FONDO DE LA INICIATIVA  PARA LAS AMÉRICAS (http://www.fiaes.org.sv/esp/enlaces.php )

 

Se origina en un Convenio Bilateral entre los Gobiernos de El Salvador y los Estados Unidos de América para condonar aproximadamente $464 millones de deuda externa, quedando pendientes $150 millones para ser repagados.  La propuesta fue ratificada en 1993, estableciendo que El Salvador pagaría unos $41.2 millones de los intereses de esa deuda durante 20 años, generando un fondo extinguible para financiar proyectos ambientales y de supervivencia infantil, bajo la administración de FIAES.

En reconocimiento a la labor del Fondo, fueron otorgados nuevos fondos en 2001 para apoyar proyectos en Bosques Tropicales por $14.4 millones para ser invertidos en un período de 25 años.

Es conducido por un Consejo de Administración integrado por ocho miembros: dos representantes designados por el Gobierno de El Salvador; un representante del Gobierno de los Estados Unidos de América y cinco representantes seleccionados por sus pares en la comunidad de Organizaciones No Gubernamentales (ONG) y Asociaciones de Desarrollo Comunal (ADESCOS).}}}

 

http://www.fiaes.org.sv/esp/ejecutoras.php => Varias agencias de fomento e financiamento de projetos sociais e ambientais na America Latina e Caribe=

*       Instituto Interamericano para la Agricultura- IICA  - http://www.iica.org.sv

IUCN –INTERNATIONAL UNION FOR CONSERVATION OF NATURE -

Contribui para ajudar o mundo a encontrar soluções pragmáticas para o nosso ambiente mais prementes e desafios do desenvolvimento. Ele apoia a investigação científica, gerencia projetos de campo em todo o mundo e reúne governos, organizações não-governamentais, agências das Nações Unidas, empresas e comunidades locais em conjunto para desenvolver e implementar políticas, leis e melhores práticas.

 

PRONANPE - http://www.profonanpe.org.pe/experiencia03.html

La experiencia de PROFONANPE durante los últimos quince años ha permitido validar los aspectos fundamentales de su diseño institucional. Contar con un capital semilla inicial orientado tanto a darle un soporte institucional y al financiamiento de actividades de conservación en áreas protegidas ha constituido un mecanismo sumamente positivo.

La sostenibilidad ganada con este aporte ha sido clave para consolidar el proceso de desarrollo institucional de PROFONANPE y convertirlo en un mecanismo atractivo para la intermediación de fondos no reembolsables provenientes de diversas fuentes de cooperación internacional

terça-feira, 11 de outubro de 2011

INSTITUTO DE TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CRIA POSTE SOLAR AO CUSTO DE R$ 2 MIL E INTENSIFICA ESTUDOS EM SISTEMAS FOTOVOLTAICOS

A busca por fontes alternativas e limpas de energia, que liberam menos gases e resíduos no meio ambiente, tem sido uma aposta do governo e das instituições de pesquisa para evitar impactos negativos na natureza. A luz do sol, fonte de energia limpa em abundância, tem despertado o desenvolvimento de uma série de pesquisas para a obtenção de materiais mais eficientes que convertam a energia da luz solar em energia elétrica, processo conhecido como efeito fotovoltaicoRecentemente, a Fundação Centro Tecnológico de Minas Gerais (Cetec) instalou na entrada principal da entidade um poste de iluminação pública que funciona com energia solar. O projeto foi elaborado pela instituição em parceria com alunos do departamento de engenharia de energia do Instituto Politécnico da Universidade Católica de Minas Gerais (IPUC/PUC Minas).

Segundo do Cetec, trata-se do primeiro passo de uma série de ações que visam torná-lo referência em tecnologias para a cadeia de energia solar. “Queremos estabelecer na fundação uma plataforma para apoiar pesquisas nessa área”, aposta José Roberto Branco, coordenador do Setor de Materiais Ópticos e Eletrônicos (SDO), unidade responsável pelo projeto.

As atividades do grupo começaram em agosto deste ano. A instalação de postes em áreas pouco iluminadas da fundação foi a primeira proposta para testar a aplicabilidade da tecnologia. O “poste solar” instalado no Cetec, explica Branco, é um exemplo de sistema fotovoltaico, constituído por células ou módulos que convertem a luz solar em energia elétrica, mas também por outros elementos, como bateria (acumulador de energia); inversores de frequência; controlador de carga (responsável pela durabilidade da bateria e controle de energia) e carga (lâmpadas).

Durante o dia, explica Branco, a energia solar incide sobre o módulo fotovoltaico presente no poste, que converte a radiação do sol em eletricidade. Esta, por sua vez, é armazenada na bateria do sistema por meio de um processo eletroquímico. No início da noite, quando surge a necessidade de iluminação, a energia acumulada na bateria é disponibilizada para as lâmpadas.

O poste tem a capacidade de manter a iluminação durante um período de seis horas, período que pode ser redimensionado, além de ter autonomia de dois dias sem incidência de raios solares. Ele possui duas lâmpadas fluorescentes compactas de 15W, acionadas automaticamente por um interruptor fotossensível, que identifica a presença de luminosidade. Essas lâmpadas, além de serem mais eficientes em relação às incandescentes são de alta durabilidade, com preços mais acessíveis.

Toda a estrutura do poste custou aproximadamente R$ 2 mil. Os recursos para a realização do projeto são provenientes da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (Fapemig). Segundo Branco, algumas empresas sinalizaram interesse em levar o potencial desse tipo de energia para o mercado. “As ações do Cetec nesta área estarão integradas com o governo de Minas Gerais, sob a liderança da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), que almeja desenvolver e promover o uso de energia renovável no Estado”.

O pesquisador ressalta que a energia solar possui uma série de aplicações potenciais, que vão desde a energização de brinquedos e eletroeletrônicos até o atendimento a pequenas comunidades isoladas ou distantes da rede elétrica. A tecnologia também atende usinas geradoras de energia fotovoltaica, com dezenas de mega-watts de potência.

Mas, cada uma dessas aplicações, dispostas em regiões diversas em termos climáticos, explica, impõe condições de uso distintas. “Nesse projeto iniciamos o estudo de relações entre variáveis dos sistemas fotovoltaicos. A abordagem verticalizada que existe na fundação, por meio do exame de materiais, dispositivos e processos em toda a cadeia de valores da energia solar fotovoltaica é única no Brasil”, informa.

As vantagens econômicas do uso da energia solar vão depender de alguns fatores como distância da rede elétrica, confiabilidade e portabilidade necessárias. Para o pesquisador, em breve a certificação verde será fator de competitividade entre as organizações e de preferência dos consumidores. “O custo benefício de um poste de energia solar pode ser bem mais baixo do que um comum. A mesma linha de raciocínio vale para outras aplicações”.

Entre outros projetos de energia solar desenvolvidos no Cetec, destaque para a implantação de sistemas de carregamento de baterias variadas na instituição, com disponibilização de pontos de recarga de acumuladores de energia gratuita. O grupo também estuda o uso de módulos fotovoltaicos em processos de bombeamento de água e irrigação para comunidades carentes e tratamento de efluentes.

Potencial brasileiro

A tecnologia fotovoltaica está em uso em diversos países, como a Alemanha, por exemplo, onde foram realizadas várias ações de mobilização da sociedade e do setor acadêmico, com grande investimento em projetos de pesquisa e desenvolvimento (P&D), além de políticas públicas de incentivo. O setor industrial alemão visualizou a oportunidade de negócio e investiu massivamente para produzir em grande escala matérias-primas, células, módulos fotovoltaicos e equipamentos eletroeletrônicos.

O Brasil, afirma Branco, possui todos os meios para criar e desenvolver um mercado fotovoltaico. Além do potencial de energia solar disponível e comprovado em todo território nacional, há grande conhecimento de toda a cadeia de produção pertinente. Todo esse conhecimento está localizado em instituições de pesquisas e universidades. “Sendo o Brasil um dos dez países que mais consomem energia no mundo, só ele e a Rússia ainda tem um uso inexpressivo de energia solar fotovoltaica”, ressalta.

Cristiane Rosa
Especial para a revista Responsabilidade Social.com

 

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Conferência em SP com transmissão ao vivo pela NET- CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL: HISTÓRICO, PAPEL NO PRESENTE E VISÃO DE FUTURO

Conferência - CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL: HISTÓRICO, PAPEL NO PRESENTE E VISÃO DE FUTURO
Conferencista - Russell Mittermeier, Conservation International

06/10/2011
sala de eventos do IEA/USP - Rua da Praça do Relógio, 109, Bloco K, 5.andar - Cidade Universitária, São Paulo
16h00
Transmissão na web, ao vivo em www.iea.usp.br/aovivo    ( Não haverá inscrição prévia)

De acordo com o primatologista norte-americano Russell Mittermeier, presidente da organização ambientalista Conservation International (CI), o Brasil é responsável por 70% das áreas do planeta que passaram a ser protegidas nos últimos 8 anos. Acrescenta que esse e outros recordes e inovações feitos pelo país têm sido possíveis graças a uma "forte e já longa tradição conservacionista construída por alguns visionários e que, rapidamente, ganhou corações e mentes do povo brasileiro".

A partir do caso dos primatas e da primatologia brasileiros, Mittermeier apresentará parte dessa história na conferência "Conservação da Biodiversidade no Brasil: Histórico, Papel no Presente e Visão de Futuro, no dia 06 de outubro, quinta-feira, às 16h00, na sala de eventos do Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP.

Em paralelo a esse histórico, ele fará uma reflexão sobre o momento atual do Brasil no cenário mundial em relação a temas ambientais, a atuação do país quanto às convenções internacionais e o papel de liderança a ser cumprido, especialmente a partir da RIO+20. Também defenderá a tese da vocação do Brasil para ser a primeira superpotência verde do planeta, tendo como referência o exame do potencial papel do Estado de São Paulo no cumprimento dessa vocação.

Doutor em antropologia biológica pela Universidade de Harvard, EUA, Mittermeier tornou-se primatologista e herpetologista. É presidente da CI desde 1989 e autor de mais de 400 artigos científicos e de divulgação científica, além de 15 livros. Viajou por mais de 100 países e conduziu pesquisas de campo em mais de 20 deles. Muitas dessas pesquisas foram realizadas no Suriname, em Madagascar e no Brasil (Amazônia e Mata Atlântica).

Além de presidir a CI, Mittermeier atua em funções de destaque em outras instituições: dirige o Grupo de Especialistas em Primatas da Comissão de Sobrevivência de Espécies da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCS); é professor adjunto da Universidade de Nova York há 20 anos; é presidente da Fundação de Biodiversidade Margo Marsh dede 1996; atua como especialista em grandes macacos no Programa Ambiental das Nações Unidas; e em 2004 foi eleito conselheiro regional para a América do Norte e Caribe da UICS.

O evento é organizado pelo Grupo de Pesquisa Amazônia em Transformação: História e Perspectivas. O coordenador da atividade será o professor Jose Pedro de Oliveira Costa, cocoordenador do GP e professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP.

Ines Iwashita
Universidade de São Paulo
fone 11 3091-1685 e 9603-4819
ineshita@usp.btr
ines.iwashita@gmail.com

 

GHG PROTOCOL LANÇA NOVOS PADRÕES PARA CARBONO

Considerando a necessidade de se conhecer as emissões de gases do efeito estufa de toda a cadeia de valor de uma empresa, líderes empresariais se reuniram nesta terça-feira (4) para a apresentação de novos padrões GHG Protocol

 

Em um mundo cada vez mais globalizado, onde até mesmo ínfimas partes de produtos e processos podem viajar milhares de quilômetros desde a sua fabricação até deposição, o conhecimento de todo este ciclo é vital para a saúde ambiental, social e financeira das empresas.

Na terça-feira (4), líderes empresariais do mundo todo se reuniram para a apresentação dos novos padrões GHG Protocol (GHGP), que estabelecem a primeira abordagem internacionalmente harmonizada para a mensuração e relato de inventários de gases do efeito estufa (GEEs) da cadeia de valor corporativa (Escopo 3) e ciclo de vida de produtos.

As empresas que aplicarem os padrões poderão mensurar e gerenciar todo o escopo de emissões, possibilitando melhorias de eficiência em suas cadeias de valor e o aperfeiçoamento de produtos.

“Os novos padrões foram uma resposta à demanda de nossos parceiros ao redor do mundo. Na Nova Zelândia, exportadores de laticínios estavam sendo pressionados a contabilizar as milhas (distância de viagem) dos produtos. Nos Estados Unidos, o Wall Street Journal enfatizou as dificuldades que uma empresa multinacional estava enfrentando em avançar em direção à neutralidade em carbono sem contabilizar os impactos da cadeira de fornecedores”, explicou Pankaj Bhatia, diretor do GHGP no World Resources Institute.

O ‘GHGP Corporate Value Chain’ (Escopo 3) revela oportunidades para as empresas tomarem decisões mais sustentáveis sobre suas atividades e sobre os produtos que compram e vendem, assumindo uma abrangência em nível corporativo.

O ‘Product Life Cycle Standard’ permite a mensuração das emissões de GEEs de um determinado produto, incluindo materiais, fabricação, uso e disposição.

Em conjunto com o GHG Protocol Corporate Standard, lançado em 2001, os três oferecem uma abordagem abrangente para a mensuração e gerenciamento das emissões da cadeia de valor, afirmam as entidades que criaram os padrões.

"Este conhecimento pode nos trazer economia tanto em termos de carbono como em custos, mas também é excitante pensar no que isto pode significar para o futuro na educação dos clientes e compras", comentou o vice-presidente e chefe de sustentabilidade da Alcoa, Kevin Anton.

As emissões do escopo 3 (cadeia de valor) são como um “tesouro” escondido do gerenciamento de GEEs, comentou a vice-presidente para Ciência e Pesquisas do World Resources Institute Janet Ranganathan, “é onde as surpresas e maiores oportunidades de redução geralmente são encontradas”.

A finalização dos padrões levou três anos e incluiu cerca de 2,5 mil parceiros ao redor do mundo. Os testes foram realizados por 60 empresas de 17 países.

Os próximos passos são o desenvolvimento de diretrizes específicas para cada setor e de programas de capacitação para apoiar o uso dos padrões. Além disso, Pankaj já enxerga as próximas áreas onde é necessário o estabelecimento de protocolos para a contabilização dos GEEs, como agricultura e produção de alimentos, cidades e políticas climáticas de países.

Pegada Ecológica

A reunião de informações sobre as emissões de GEEs, muito úteis para a correlação com outros fatores como o uso de energia, é apenas o começo de todo o inventário que uma empresa pode fazer para verificar o impacto que impõe sobre o meio ambiente.

Ao redor do mundo, outros padrões e iniciativas estão tentando lidar com este desafio, como o caso brasileiro da certificação Life, que visa orientar, qualificar e reconhecer organizações comprometidas com a realização de ações efetivas para a conservação da biodiversidade. Uma das ferramentas do Life é a mensuração do valor estimado de impacto à biodiversidade de cada organização.

Outra iniciativa, da ONG WWF, é a Pegada Ecológica, que nos mostra até que ponto a nossa forma de viver está de acordo com a capacidade do planeta de oferecer, renovar seus recursos naturais e absorver os resíduos que geramos por muitos e muitos anos.

GHG Protocol

Lançado em 2001, o GHG Protocol é um conjunto de padrões e diretrizes para a contabilização e relato das emissões de GEEs, desenvolvidos por atores de diversos setores liderados pelo World Resources Institute e World Business Council for Sustainable Development (cujo representante no Brasil é o CEBDS).

Segundo Janet , quase 85% das 2.487 empresas que participaram do Carbon Disclosure Project em 2010 usaram diretamente o GHGP ou o fizeram através da participação em algum programa de mudanças climáticas.

O padrão ISO 14.064-1, da Organização Internacional para Padronização, é consistente com o GHGP Corporate Standard, primeiro protocolo lançado.

“Em particular, duas características tornam o GHGP único e bem sucedido: o processo com múltiplos stakeholders e os testes rigorosos da minuta dos padrões”, enfatizou Janet.

O GHGP Corporate Standard classifica as emissões de uma empresa em três escopos. As emissões do Escopo 1 são as diretas, de fontes próprias e controláveis; do Escopo 2 são indiretas, da geração de energia comprada; do Escopo 3 são todas as emissões indiretas não incluídas no anterior, que ocorrem na cadeia de valor de uma empresa.

A maioria das empresas grandes atualmente contabiliza e relata suas emissões dos escopos 1  e 2, porém as emissões ao longo da cadeia de valor geralmente representam os maiores impactos das empresas. Por exemplo, a empresa KraftFoods descobriu que as emissões da sua cadeia de valor compreendem mais de 90% do total.

 

Fonte: Fernanda B. Muller   -   Fonte: Instituto CarbonoBrasil/GHG

 

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

737 donos do mundo controlam 80% do valor das empresas mundiais

Um estudo publicado na Suíça revela que um pequeno grupo de sociedades financeiras ou grupos industriais domina a grande maioria do capital de dezenas de milhares de empresas no mundo.

 

Um estudo de economistas e estatísticos(1), publicado na Suíça neste verão, dá a conhecer as interligações entre as multinacionais mundiais. E revela que um pequeno grupo de atores econômicos – sociedades financeiras ou grupos industriais – domina a grande maioria do capital de dezenas de milhares de empresas no mundo.

 

O seu estudo, na fronteira da economia, da finança, das matemáticas e da estatística, é arrepiante. Três jovens investigadores do instituto federal de tecnologia de Zurique examinaram as interações financeiras entre multinacionais do mundo inteiro. O seu trabalho The network of global corporate control (A rede de controle global das transnacionais) examina um painel de 43 mil empresas transnacionais (transnacional corporations) selecionadas na lista da OCDE. Eles dão a conhecer as interligações financeiras complexas entre estas “entidades” econômicas: parte do capital detido, inclusive nas filiais ou nas holdings, participação cruzada, participação indireta no capital…

Resultado: 80% do valor do conjunto das 43 mil multinacionais estudadas é controlado por 737 “entidades”: bancos, companhias de seguros ou grandes grupos industriais. O monopólio da posse capital não fica por aí. “Por uma rede complexa de participações”, 147 multinacionais, controlando-se entre si, possuem 40% do valor econômico e financeiro de todas as multinacionais do mundo inteiro.

 

Uma super entidade de 50 grandes detentores de capitais

 

Por fim, neste grupo de 147 multinacionais, 50 grandes detentores de capital formam o que os autores chamam uma “superentidade”. Nela encontram-se principalmente bancos: o britânico Barclays encabeça, assim como as stars de Wall Street (JP Morgan, Merrill Lynch, Goldman Sachs, Morgan Stanley…). Mas também seguradoras e grupos bancários franceses: Axa, Natixis, Société Générale, o grupo Banque Populaire-Caisse d’Épargne ou BNP Paribas. Os principais clientes dos hedge funds e outras carteiras de investimentos geridos por estas instituições são, por conseguinte, mecanicamente, os donos do mundo.

 

Esta concentração levanta questões sérias. Para os autores, “uma rede financeira densamente ligada torna-se muito sensível ao risco sistêmico”. Alguns recuam perante esta “superentidade”, e é o mundo que treme, como o provou a crise do subprime. Por outro lado, os autores levantam o problema das graves consequências decorrentes de tal concentração. Que um punhado de fundos de investimento e de detentores de capital, situados no coração destas interligações, decidam, por via das assembleias gerais de acionistas ou pela sua presença nos conselhos de administração, impor reestruturações nas empresas que eles controlam… E os efeitos poderão ser devastadores. Por fim, que influência poderão exercer sobre os Estados e as políticas públicas se adotarem uma estratégia comum? A resposta encontra-se provavelmente nos atuais planos de austeridade.

O estudo em inglês pode ser visto aqui.

 

Nota

1 O italiano Stefano Battiston, que passou pelo laboratório de física estatística da École Normale Supérieure, o suíço James B. Glattfelder, especialista em redes complexas, e a economista italiana Stefania Vitali.

Tradução: Carlos Santos para esquerda.net.

Fontes: Publicado originalmente no Basta! e retirado do site da Revista Fórum.

 

segunda-feira, 3 de outubro de 2011

PRIMEIRO PROGRAMA DE ATIVIDADES É REGISTRADO SOB O PADRÃO CARBONFIX PARA PROJETO PERUANO

Com 58 parcelas de terra e cerca de 2 mil agricultores envolvidos, o projeto Sierra Piura, nos Andes peruanos, conquistou a certificação da auditora independente do CarbonFix, a Rainforest Alliance.

Ao contrário de outros padrões para projetos florestais no mercado voluntário de carbono, sob o Carbon Fix, a certificação agrupada, também conhecida como Programa de Atividades (PoAs), funciona nos mesmos moldes que projetos tradicionais. De fato, um projeto certificado sob o CF sempre é um grupo de parcelas de terra.

“O uso do CF nos permite adicionar novas áreas ao longo do tempo quando com outros padrões, teríamos que registrar projetos completamente novos”, comentou o coordenador do projeto Sierra Piurra Edmond Muller.

“O CF é muito prático, especialmente em combinação com a plataforma virtual ‘Climate Projects’, que nos permite calcular o número de créditos para cada agricultor”.

Para 2012, mais três PoAs estão buscando o registro sob o CF.

Registrada na Alemanha, a CF é uma organização sem fins lucrativos que visa fomentar projetos florestais no âmbito das mudanças climáticas.

O padrão visa atingir um meio termo em relação aos padrões dominantes no mercado voluntário, Voluntary Carbon Standard (VCS) e Community Climate and Biodiversity Standard (CCB), levando em conta impactos sociais e ambientais dos projetos de carbono (ao contrário do VCS) e emitindo créditos de carbono (ao contrário do CCB).

Saiba mais sobre os padrões florestais no mercado de carbono. 

29/09/2011   -   Autor: Fernanda B. Müller   -   Fonte: InstitutoCarbonoBrasil/CarbonFix

 

NOTICIAS MDL SUSTENTAVEL - Brasil terá seguro para créditos de carbono

Oportunidade verde (Revista AE)

 

Se algumas empresas trabalham para se adequar a nova realidade que se desenha no mundo dos negócios, outras já saem na frente porque estão nascendo com um novo olhar incorporado e aproveitando as novas oportunidades que se abrem com o engajamento de pessoas, governos e do setor privado. Leia mais

 

Bioenergia: impactos sobre o clima (Revista AE)

 

Expansão sustentável da produção de etanol exige avaliações precisas sobre as mudanças no uso do solo em áreas que passam a ser ocupadas por culturas voltadas à geração de bioenergia, avaliam especialistas. Leia mais

 

Brasil terá seguro para créditos de carbono (Valor Econômico)

Em parceria com a Munich Re, maior resseguradora do mundo, a Fator Seguradora está lançando um seguro para projetos de crédito de carbono e instrumentos de redução de gases de efeito estufa.

A apólice cobre a perda de receita caso o projeto não gere os créditos de carbono previstos e comercializados.

O Brasil é o terceiro país com o maior número de projetos de Mecanismos de Desenvolvimento Limpo (MDL), instrumento criado pelo Protocolo de Kyoto que traz a possibilidade de utilização de mecanismos de mercado para que os países desenvolvidos possam cumprir seus compromissos de

Cidades sustentáveis serão uma das principais discussões na Rio+20 (Jornal do Brasil)

 

O presidente da Câmara de Desenvolvimento Sustentável da prefeitura do Rio de Janeiro, o economista Sergio Besserman, quer estimular a mobilização e participação da cidade, principalmente dos jovens, na Conferência das Nações Unidas sobre ...Leia mais...

 

 

EVENTOS

Mudanças Climáticas: na agenda da economia (Revista AE)

Synergia Editora lança na terça-feira, 4 de outubro, no Rio de Janeiro, livro que avalia o grau de influência das mudanças do clima na agenda de desenvolvimento do Brasil. Estudo é inspirado no Relatório Stern

Mudanças climáticas em questão (Ambiente&Energia)

 

Semana Nacional de Ciência e Tecnologia de 2011, que acontecerá de 17 a 23 de outubro, vai colocar em debate o tema "Mudanças climáticas, desatres naturais e prevenção de risco" para difundir conhecimentos sobre a questão. Leia mais

 

 

Seminário discute como créditos de carbono podem ajudar reserva Tembé (PA)

 

Créditos de carbono garantem preservação da floresta – Há dois anos, o Poema discute com os indígenas mecanismos de promoção do desenvolvimento local a partir da redução da degradação ou a partir da preservação da floresta.  Leia mais