Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Pantanal ameaçado pelas mudanças climáticas

Além do clima extremamente seco nesta época do ano, a baixa produção da pecuária contribui para a maior intensidade de focos de queimada no Pantanal, menciona Paulo Teixeira à IHU On-Line. Ele explica que com a perda da competitividade econômica do gado pantaneiro e, progressivamente, a redução desses animais no ecossistema, a biomassa cresceu na região. “Esses animais pisam na grama e a presença deles, na época das secas, acabava tendo um impacto positivo no sentido de evitar as queimadas porque a biomassa estava menor. Temos hoje um volume muito maior de biomassa, grama e outros resíduos que o gado come e, nessa época, isso seca e pega fogo”.

Na entrevista que segue, concedida, por e-mail, Teixeira aponta as mudanças climáticas como uma ameaça ao Pantanal e outras áreas úmidas. “De acordo com o pior cenário apontado pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas – IPCC (sigla em inglês), podemos ter uma redução de até 85% das áreas úmidas com a questão das mudanças climáticas. Isso será desastroso, porque estima-se que as áreas úmidas armazenam uma quantidade de carbono duas vezes superiores ao que já tem na atmosfera”. Em contrapartida, áreas úmidas como a pantaneira são fundamentais para mitigar os efeitos das mudanças climáticas na medida em que regulam o ciclo hidrológico e purificam a água.

Paulo Teixeira de Sousa Júnior é graduado em Química pela Universidade de Brasília - UnB. Obteve os títulos de mestre e doutor em Química Orgânica pela Universidade de São Paulo - USP e pela University of East Anglia, na Inglaterra, respectivamente. Atualmente, atua omo untário no Centro de Pesquisas do Pantanal. É também diretor Pantanal Regional Environmental Programme, um dos 14 centros de pesquisa da United Nations University, e professor da Universidade Federal de Mato Grosso - UFMG.

Confira a entrevista.

IHU On-Line – O Mato Grosso registra o pior desastre de sua história em função das queimadas. Quais os motivos das queimadas na região e seus efeitos para o Pantanal?

Paulo Teixeira – Uma das principais razões dessas queimadas é o clima extremamente seco deste ano. No mês de setembro, na região Centro-Oeste, o clima é bastante seco e isso origina as queimadas. Outra razão dessa maior intensidade de focos de queimadas no Pantanal diz respeito à produção de gado. Nos últimos anos, com a perda da competitividade econômica do gado pantaneiro, reduziu-se o número de cabeças de gado na região e isso começou a permitir que a biomassa crescesse: esses animais pisam na grama e a presença deles, na época das secas, acabava tendo um impacto positivo no sentido de evitar as queimadas porque a biomassa estava menor. Temos hoje um volume muito maior de biomassa, grama e outros resíduos que o gado come e, nessa época, isso seca e pega fogo. Esse é um fato que vai contra o senso comum de outras regiões: enquanto em alguns locais do país o gado é o causador do impacto ambiental, no Pantanal, o que está causando impacto ambiental é a saída do gado.

Outra razão que tem influenciado o avanço das queimadas é a retirada da mata do Pantanal para produzir carvão para carvoarias.

IHU On-Line - Quais as consequências caso o fogo se espalhe?

Paulo Teixeira – As consequências são a perda da biodiversidade e prejuízos para a pecuária local, a qual já está abalada.

O questão do fogo no Pantanal não é incomum. Alguns pesquisadores inclusive advogam a questão da queimada controlada no Pantanal. Há uma controvérsia na região a respeito de dever ou não ser permitido fazer queimadas controladas, as quais vêm sendo feitas há alguns anos. Não é a queimada em si que geraria o problema, mas a forma descontrolada e o volume de fogo que está acontecendo neste momento.

IHU On-Line - Qual a necessidade de preservar as áreas úmidas, por exemplo, o Pantanal, como uma resposta para as mudanças climáticas globais? O ecossistema corre algum risco em função das mudanças climáticas e do aquecimento global?

Paulo Teixeira – O Pantanal contribui para melhorar os impactos das mudanças climáticas na medida em que regula o ciclo hidrológico e purifica a água, atuando como se fosse uma esponja: na época das chuvas, ele absorve lentamente a água e, na época das secas, essa água vai sendo lentamente liberada. De acordo com o pior cenário apontado pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas – IPCC (sigla em inglês), podemos ter uma redução de até 85% das áreas úmidas com a questão das mudanças climáticas. Isso será desastroso, porque estima-se que as áreas úmidas armazenam uma quantidade de carbono duas vezes superiores ao que já tem na atmosfera. Mas isso se aplica mais a outras áreas úmidas do que ao Pantanal, como a tundra, no norte do Canadá e a região do norte da Escócia, que têm áreas úmidas com solos ricos em carbono. O Pantanal não é um bom poço de carbono, ele armazena mais carbono na biomassa e na vegetação existente no ecossistema.

Caso essa previsão do IPCC se confirme, esse carbono será liberado para a atmosfera, alimentando o efeito estufa e gerando um ciclo perverso: mais CO2, agravamento do efeito estufa e redução do nível das áreas úmidas.

IHU On-Line – O impacto das mudanças climáticas é diferente em áreas úmidas e áreas secas?

Paulo Teixeira – O impacto em si não muda; vamos conviver com eventos extremos: chuvas e secas serão mais intensos. As áreas úmidas tendem a mitigar o impacto das mudanças climáticas porque elas contribuem para a estabilização do microclima regional. Se, com as mudanças climáticas, se reduzirem as áreas úmidas, se reduz também a zona tampão. Então, perderemos esse serviço ambiental das áreas úmidas.

HU On-Line - Qual é a importância de áreas de transição como o Pantanal para o equilíbrio do ecossistema?

Paulo Teixeira – Esse fenômeno, que chamamos de pulsos de inundação, que é exatamente esse movimento de vai e vem das águas, é fundamental para a manutenção do ecossistema na região. Isso porque, na época das cheias, a água carrega nutrientes e se amplia a área de pastagem para os organismos aquáticos e, na época da seca, esses organismos aquáticos se restringem a corpos d’água menores e passamos a ter locais ricos em organismos aquáticos que servem de pastagem para os organismos terrestres. É exatamente esse vai e vem das águas o responsável pela riqueza da biodiversidade de áreas úmidas tropicais com as características do Pantanal.

IHU On-Line - Quais os impactos da alteração ambiental do planalto do Pantanal e como isso se reflete no ecossistema?

Paulo Teixeira – Infelizmente, a maneira como a agricultura vem sendo praticada no planalto, em alguns casos, causa impactos bastante negativos porque ela tende a causar assoreamento dos rios. Há um carreamento muito grande de detritos sólidos por causa da compactação dos solos e do uso intensivo de pesticidas. Por exemplo, no Mato Grosso do Sul temos o rio Taquari, que foi completamente assoreado, já perdeu a calha por conta disso. A agricultura empresarial, da forma como tem sido feita no planalto, em alguns casos, onde a legislação não tem sido seguida, tem sido bastante prejudicial. Temos legislação adequada para que isso não ocorra, mas nem sempre essa legislação é obedecida.

IHU On-Line - Áreas úmidas como a pantaneira têm um papel importante na garantia de água limpa e produção de alimentos?

Paulo Teixeira – Tem. Esse papel que as áreas úmidas têm na produção de alimentos é algo muito antigo. Vemos a própria história do rio Nilo, no Egito; é nada mais do que isso. Na época da cheia, o rio Nilo levava nutrientes para o solo e em toda aquela região em volta deste rio se planta muita coisa até hoje. O mesmo ocorre aqui. Só que a planície pantaneira não é apropriada para a agricultura. Mas temos lá criação de gado, temos uma região que dá muito peixe. Não dá para fazer agricultura em larga escala naquela região, mas ela produz alimentos na medida em que produz gado e peixe.

IHU On-Line - Que fatores estão causando alterações no meio ambiente e na biodiversidade do Pantanal?

Paulo Teixeira – Um pouco tem relação com essa questão da forma com que a agricultura é praticada no planalto. Os principais impactos ambientais que o Pantanal sofre vêm do planalto e não da planície, mas não são os únicos. Existem também impactos ambientais que ocorrem na planície pantaneira. Temos, no Mato Grosso do Sul, um problema de desmatamento da planície para abastecer carvoarias. Lá e também no Mato Grosso, no Pantanal em geral, um problema que tem ocorrido é a perda de competitividade do gado pantaneiro. Se olharmos uns 40 anos atrás, as músicas que falavam em gado sempre o associavam ao Pantanal. Hoje não é mais assim. O gado daqui perdeu a competitividade para o gado de outras regiões e isso está empobrecendo a população local com consequências no meio ambiente. Isso porque esse gado vem sendo criado aqui há mais de 300 anos e o ecossistema de adaptou à presença dele.

Na época da seca, ele come a biomassa e pisa encima do capim, de maneira que onde tem gado, em época de seca, não temos um volume de biomassa muito grande. A retirada do gado está fazendo com que essa biomassa cresça bastante e na época da seca pega fogo e causa impacto em função disso. Ademais, os fazendeiros tradicionais têm um processo que se chama limpeza de campo, que vem sendo feito de maneira sustentável há bastante tempo, porque o gado já está acostumado com o bioma local.

O empobrecimento da região está levando a um barateamento das terras, que vêm sendo vendidas para pessoas de outras regiões que, por desconhecimento, têm causado impactos quando vão fazer a limpeza de campo de maneira inadequada. Podemos colocar as ameaças ao Pantanal em três níveis: da planície (com as fazendas de gado); do planalto (com a agricultura em larga escala que tem causado assoreamento dos rios); e sob o ponto de vista ainda do planalto podemos citar a questão das pequenas hidrelétricas. Tem-se implantado uma série de hidrelétricas e o que as autoridades têm visto é o impacto de cada uma isoladamente.

Com relação ao aspecto global, a principal ameaça que temos hoje no Pantanal ou nas áreas úmidas em geral são as mudanças climáticas. Segundo as previsões mais pessimistas do IPCC, podemos ter uma redução de 85% das áreas úmidas, com todas as consequências nefastas que isso acarreta, de perda dos serviços ecossistêmicos dessas áreas.

IHU On-Line - Alguns especialistas dizem que, nos EUA, a destruição de áreas úmidas ocasionou grandes enchentes. Isso é real? No Brasil, isso pode ocorrer caso não haja uma política de preservação no Pantanal?

Paulo Teixeira – É um risco, porque, se desregulamos o ciclo hidrológico, pode acontecer uma série de consequências, inclusive enchentes.

IHU On-Line – A nova proposta do Código Florestal pode ser boa para o Pantanal?

Paulo Teixeira – Essa nova proposta que está em debate não é boa para ninguém. É boa só para o agronegócio. O lobby da bancada ruralista no Congresso em cima da proposta foi muito forte e há uma rejeição muito grande de vários setores da sociedade a essa proposta. Acreditamos que o bom senso ao final vá prevalecer, porque a pressão social está muito grande. Antes das eleições não deve sair a votação. Mas se passar, essa proposta será preocupante. Mas acredito que não passe. Temos que ser otimistas.

(Envolverde/IHU On-Line)

Produção conjunta de etanol e biodiesel pode reduzir emissões

O dendê apresenta uma produtividade maior por hectare do que outras espécies vegetais empregadas na fabricação do biodiesel, como a soja, o girassol e a canola.

A produção conjunta de etanol e biodiesel, proposta por pesquisadores da USP, tem potencial para reduzir as emissões de gás carbônico (CO2) e melhorar o balanço energético, produzindo mais combustível a partir de uma quantidade menor de insumos.

O modelo sugerido combina a produção de álcool de cana e biocombustível de óleo de dendê na região do Cerrado brasileiro.

"O processo produtivo do etanol utiliza insumos que estão associados às emissões de CO2, como o óleo diesel, derivado do petróleo, que movimenta tratores e caminhões", diz o professor Sérgio Almeida Pacca, que orientou a pesquisa. "O trabalho buscou uma alternativa para substituir o diesel que pudesse minimizar as emissões."

Biodiesel de óleo de dendê

O combustível escolhido foi o biodiesel produzido a partir do óleo de dendê. "Ele apresenta uma produtividade maior por hectare do que outras espécies vegetais empregadas na fabricação do combustível, como a soja, o girassol e a colza (canola)", ressalta o professor.

Ao mesmo tempo, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) desenvolve uma variedade de dendê que se adapta às condições climáticas do Cerrado, onde as experiências com o cultivo de cana adaptada já são bem-sucedidas.

O processo integrado de produção foi comparado ao sistema tradicional, a partir da avaliação do ciclo de vida de ambos os métodos, para se buscar sinergias entre o álcool e o biodiesel.

"A produção de etanol a partir da cana gera o bagaço, um resíduo que pode ser usado na geração de energia para o próprio processo produtivo, ou na obtenção de eletricidade", conta Pacca. "Da mesma forma, a extração de óleo de dendê gera resíduos, como fibras e cascas de castanha, igualmente utilizáveis na geração de eletricidade."

Aproveitamento da vinhaça

Outra integração proposta na pesquisa está no aproveitamento da vinhaça, um subproduto da produção do etanol, na irrigação de cultivos.

"No cerrado, devido ao clima, o dendê precisa ser irrigado artificialmente", observa o professor. "A vinhaça de cana-de-açúcar contém água e micronutrientes, como o potássio, e o efluente da produção do biodiesel de dendê pode ser adicionado a ela."

O sistema de produção conjunto permite minimizar a necessidade de alguns insumos, em especial combustíveis fósseis, e ao mesmo tempo promover a reciclagem de subprodutos. "O cálculo do balanço de emissões revelou uma produção menor de CO2", ressalta Pacca.

A estimativa do balanço energético mostra que o investimento em insumos é menor, sem prejudicar o aumento da produção de energia.

Modelo teórico

"O modelo ainda é teórico, mas foi elaborado a partir de dados extraídos de sistemas produtivos reais", aponta o professor.

Durante o trabalho, realizado pela pesquisadora Simone Pereira de Souza, foram visitadas usinas de álcool e biodiesel para o levantamento de coeficientes de produção, além de plantios de cana e dendê, a fim de verificar suas necessidades e a utilização de insumos.

A escolha do Cerrado para a implantação da produção integrada se deve à presença de algumas características das florestas tropicais, de onde o dendê é nativo.

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Biogás: software ajuda a dimensionar biodigestores

Por Manuel Alves Filho, do Portal da Unicamp - Um software capaz de ajudar o produtor rural a tomar a decisão de instalar ou não um biodigestor [equipamento que transforma biomassa em biogás] em sua propriedade foi apresentado na quarta-feira, 4 de agosto, durante o workshop “Como dimensionar biodigestores para geração de energia a partir de resíduos animais”, realizado no auditório da Diretoria Geral da Administração (DGA) da Unicamp.

De acordo com um dos desenvolvedores do programa de computador, Aurélio Souza, a ferramenta deverá estar disponível para ser baixada gratuitamente pela internet pelos criadores de gado (leiteiro e de corte) e suinocultores nas próximas semanas. O evento foi organizado pelo Centro Nacional de Referência em Biomassa (Cenbio), instalado no Instituto de Eletrotécnica e Energia (IEE) da USP.

O projeto que culminou com o desenvolvimento do software, conforme Souza, contou com a participação do Cenbio, USP, empresa Usinazul e duas entidades internacionais, a Winrock International e a The Renewable Energy & Energy Efficiency Partnership (Reeep). Ele esclareceu que antes de ser colocado no ar, o programa ainda deverá ser refinado, de modo a fornecer dados ainda mais precisos. Dito de maneira simplificada, a ferramenta é constituída por uma série de planilhas, que precisam ser alimentadas com diversas informações.

Entre as variáveis consideradas estão o tamanho do plantel, a quantidade de resíduos produzida pelos animais num dado período e o consumo de energia elétrica da propriedade. Essas informações são cruzadas com outras, principalmente as relativas aos investimentos necessários para a instalação do biodigestor. Ao ser acionado, o software promove os cálculos e aponta qual o tamanho adequado do biodigestor para aquela situação, quanto o ruralista gastaria no projeto de instalação e qual a taxa de retorno. “Embora os dados não sejam absolutamente precisos, eles fornecem uma direção para que o usuário tome uma decisão”, esclarece Souza.

O objetivo final, acrescentou, é possibilitar que a propriedade alcance a autossuficiência energética e reduza os impactos que os resíduos animais causam ao ambiente. Além de Souza, também participaram do workshop a coordenadora do Cenbio, professora Suani Teixeira Coelho, e a pesquisadora do Centro, Vanessa Pecora Garcilasso. Ambas falaram sobre os projetos que têm sido desenvolvidos pelo órgão na área do biogás. Segundo Vanessa, entre as ações executadas está um projeto de geração de energia elétrica e iluminação a gás no Centro de Tratamento de Resíduos (CTR) de Caieiras, na Grande São Paulo.

O biogás é um combustível gasoso com elevado valor energético. É composto basicamente por metano (cerca de 60%), dióxido de carbono (35%) e outros gases (5%). É obtido por intermédio da decomposição anaeróbica (sem a presença de oxigênio) da matéria orgânica, que ocorre pela ação de determinadas espécies de bactérias. Pode ser utilizado para geração de energia elétrica, térmica ou mecânica, sobretudo em propriedades rurais, contribuindo dessa forma para a redução dos custos de produção.

Conteúdos Relacionados:

  1. Biogás: workshops mostram práticas

Da Agência Ambiente Energia - O Centro Nacional de Referência em Biomassa (Cenbio) promoverá, nos dias 29 de julho e 4 de agosto, os workshops “Como dimensionar biodigestores para geração de energia a partir de resíduos animais”. Segundo o Cenbio,...

  1. Biogás: oportunidades em questão

Seminário promovido pelo Instituto Ekos Brasil, que acontece na quarta-feira, dia 22 de setembro, reunirá especialistas brasileiros e estrangeiros para traçar perspectivas tecnológicas e viabilidade econômica deste tipo de solução energética ...

  1. Biogás: manual ensina como aproveitar potencial energético

Por Júlio Santos, da Agência Ambiente Energia - O programa “Methane to Markets Partnership” (M2M), iniciado em 2004 com a participação de 14 países, tem a meta de reduzir as emissões de metano em 180 MMTCO2 até 2014. A iniciativa...

  1. Colombari comprova vantagens do biogás

O suinocultor José Carlos Colombari, de São Miguel do Iguaçu, comprova como o investimento em energia renovável impulsiona os negócios no campo. Ele está praticamente dobrando sua produção, graças ao saneamento ambiental e à economia de energia proporcionados pelo aproveitamento...

  1. Biogás: seminário debate tecnologias

Da Agência Ambiente Energia - Acontece na próxima quarta-feira, 19, e quinta, 20 de maio, o 1º Seminário de Tecnologias de Produção de Biogás, em Recife (PE), promovido pelo Centro de Tecnologias Estratégicas do Nordeste (Cetene/MCT) em parceria com a...

ESTANCIA EN EL INTERIOR DE TODO LO QUE SUCEDE EN EL MERCADO DE MEDIO AMBIENTE, Y LAS EMISIONES DE CARBONO
SIGA LOS BLOGS => NOTICIAS MDL SUSTENTAVEL;