Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, 30 de novembro de 2010

ONU aprova metodologia brasileira de MDL para transportes

O Comitê Executivo da Convenção Quadro de Mudança do Clima das Nações Unidas (UNFCCC) acaba de aprovar a primeira metodologia do mundo na área de logística para projetos de Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) em transportes de carga que segue as diretrizes do Protocolo de Quioto.

http://www.ciflorestas.com.br/imagem.php?w=295&h=300&imagem=n_onu_transportes_19613.jpg


Saiba mais

O uso de biocombustíveis chega com força à aviação brasileira

Acre vai poder vender carbono para Califórnia a partir de 2012

Empresários apontam caminhos para a economia de baixo carbono no Brasil

Mercado de carbono precisa de regras claras para se desenvolver no Brasil, diz estudo

Curso de Capacitação em Mercado de Carbono

Criada pelo Instituto Totum, referência mundial para projetos de créditos de carbono, e pela siderúrgica ArcelorMittal Tubarão, a metodologia tem foco na mudança no transporte de bobinas de aço, com a substituição do transporte rodoviário pelo marítimo. As bobinas são levadas, via Terminal de Barcaças Marítimas (TBmar), do Espírito Santo até Santa Catarina.

A aprovação da metodologia permitiu que o projeto da ArcelorMittal Tubarão seja registrado pelo Comitê Executivo da ONU para geração de créditos de carbono. A estimativa é que seja evitada a emissão de 800 mil toneladas de carbono nos próximos sete anos. Isso porque deixaram de circular 110 caminhões por dia pelas estradas brasileiras.

Este é o terceiro projeto de MDL da ArcelorMittal Tubarão, primeira produtora de aço em âmbito mundial a obter reduções de emissões certificadas (CER’s) de projetos de MDL na ONU, além de também ser pioneira na venda de créditos de carbono no setor de aço nacional.

“O desenvolvimento da metodologia e do projeto de Troca de Modal posiciona as empresas envolvidas, e o Brasil de um modo geral, na liderança das ações que visam mitigar emissões de gases de efeito estufa no setor de transportes e constitui uma alternativa importante no setor de transportes, que é um setor que conta atualmente com poucas opções de redução de emissões de forma quantificada”, explica o consultor Leandro Salvático de Freitas, do Instituto Totum.   

A criação dessa metodologia abre uma oportunidade enorme de criação de projetos de MDL no país. Isso porque, de acordo com um estudo recente do Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getúlio Vargas (GVces) , no Brasil, 65% do  transporte de carga é  realizado através de estradas. 

Fonte: SP4 Comunicação Corporativa

http://www.ciflorestas.com.br/conteudo.php?id=4308

Nenhum comentário:

Postar um comentário