Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, 12 de julho de 2011

NOTICIAS MDL SUSTENTAVEL - Novaenergia transformará plástico em óleo e muito mais...

A Wastech, empresa baiana especializada em tratamento de resíduos, está criando uma nova companhia, chamada Novaenergia, que atuará na transformação de lixo plástico em petróleo. A RJCP Equity, empresa de investimento em capital de risco, será sócia minoritária no projeto.

 

A Novaenergia está em fase de captação de recursos e pretende ter a primeira unidade funcionando até o fim de 2012. O investimento inicial será de R$ 25 milhões a R$ 30 milhões. No total, o plano da companhia é ter 20 fábricas no país no prazo de cinco anos, o que exigirá investimento total de R$ 540 milhões. Desse montante, R$ 54 milhões serão na forma de capital, R$ 105 milhões em dívida (incluindo linhas de Finame do BNDES e crédito do fornecedor) e R$ 381 milhões em geração de caixa.

 

Ao fim dos cinco anos, a previsão é de que as 20 unidades tenham uma capacidade anual de produção 224 mil m3 de petróleo leve (com mais de 44 graus API), equivalente a 1,4 milhão de barris. O petróleo produzido será refinado e vendido em forma de nafta, óleo combustível e diesel.

 

A primeira fábrica ficará em Salvador e será capaz de processar 450 toneladas de lixo por dia, o que equivale a um sexto do total de resíduos gerados hoje diariamente na cidade. Desse montante de lixo, a empresa vai usar somente 36 toneladas de plástico considerados difíceis de reciclar, como sacolas e filmes. Materiais como PET, PVC e sucata metálica serão vendidos e o lixo orgânico aterrado.

 

Para cada 36 toneladas diárias de lixo plástico que entrarem de um lado da máquina, sairão 30 mil litros de óleo leve do outro. A tecnologia de transformação de plástico em petróleo foi desenvolvida por uma empresa americana chamada Agilyx, que já faz o processo comercialmente há um ano. Recentemente, a empresa dos EUA recebeu aporte de US$ 22 milhões do fundo Kleiner Perkins Caufield & Byers, que investiu em empresas como Amazon e Google; da Waste Management, uma das maiores empresas americanas de tratamento de resíduos; e também da divisão de capital de risco da petroleira francesa Total.

 

De acordo com Luciano Coimbra, presidente e controlador da Wastech e da Novaenergia, os projetos ambientais, via de regra, dão retorno financeiro muito baixo. "Não é o nosso caso. O projeto tem alto impacto ambiental e terá altíssima rentabilidade." A Wastech, que trabalha há 27 anos com tratamento de resíduos industriais perigosos, começou há cerca de quatro anos a desenvolver o projeto da Novaenergia. Depois de pesquisar diversas tecnologias, Coimbra conheceu a Agilyx, com quem firmou, no início de 2010, um contrato de exclusividade para exploração da tecnologia no Brasil.

 

Engenheiro químico, Coimbra diz que o processo de transformação do plástico em petróleo é algo que está nos livros, mas que para tornar isso comercial é preciso saber alguns macetes. Em vez de pagar royalties sobre a produção, a Novaenergia vai remunerar a companhia americana a cada fábrica construída.

 

Coimbra diz que já tem acordo com a concessionária responsável pelo aterro de Salvador. Nesse tipo de modelo, previsto para cidades grandes, a concessionária poderá ser sócia da fábrica de transformação de plástico em petróleo - com intervalo de 30% a 70% do capital - e terá que investir no projeto. Para a prefeitura, será destinado de 2% a 3% do óleo produzido.

 

Outra possibilidade, pensada para cidades médias, é atuar também como concessionária e processar todos os resíduos. Um terceiro modelo estaria ligado ao plástico recolhido pelas fabricantes de produtos industrializados que precisarem montar estruturas de logística reversa, conforme previsto na Política Nacional de Resíduos Sólidos. Valor Econômico)

 

Prefeitura e Brasil Ecodiesel irão recolhe óleo de cozinha saturado nas escolas para incorporar ao biodiesel

Após uma recente reunião entre as diretoras das escolas de Rosário do Sul e Administração Municipal, ocorrida na Secretaria Municipal de Educação e Cultura, ficou definida uma nova estratégia para o recolhimento do óleo de cozinha usado. Segundo o chefe do Departamento de Meio Ambiente da prefeitura, Rafael Cáceres Gonçalves, responsável pela Campanha de Coleta e Reciclagem do óleo de cozinha saturado, a população agora poderá enviar, este óleo, diretamente para as escolas onde serão implantados pontos de coleta.

Através de uma parceria com a empresa Brasil Ecodiesel, este óleo saturado será reaproveitado no processo de fabricação de biodiesel. Para a Engenheira de Bioprocessos e Biotecnologia da Brasil Ecodiesel Kátia Ubal, a parceria com a prefeitura irá dar um destino correto ao óleo de cozinha utilizado em frituras. “Se despejado na natureza este óleo além de entupir canos irá poluir rios e reservatórios subterrâneos de água. A Brasil Ecodiesel, irá disponibilizar um veículo que irá recolher, nas escolas, este óleo de cozinha, para incorporar ao processo de fabricação do biodiesel”, esclareceu Kátia.

Dentre os produtos de difícil degradação no meio ambiente está a gordura. Elementos como o azeite, óleo, banha e outros não se dissolvem com facilidade e não se misturam a água, formando uma camada densa na superfície da água. Isto provoca o perecimento de espécies da fauna e flora aquática existentes em lagos, rios, açudes e mananciais, pois impedem as trocas gasosas, a oxigenação da água e a passagem de luz solar importante para a biodiversidade aquática.

No Brasil apenas um percentual mínimo da população tem seu esgoto devidamente tratado, sendo que muitas vezes vai direto para os rios através das redes pluviais. Dessa forma, o óleo misturado ao esgoto atinge o lençol freático e os mananciais.

INVESTIMENTOS GLOBAIS EM ENERGIA LIMPA AUMENTARAM 32% EM 2010. BRASIL FOI O MAIOR INVESTIDOR DA AL

 

Uma pesquisa divulgada pelo Pnuma na quinta-feira, 7 de julho, destaca que o uso de energias limpas, como solar, eólica e biomassa, está crescendo, apesar da falta de progresso em negociações internacionais para diminuir as emissões de gases de efeito estufa. A América Latina (AL) foi a 2ª região do mundo que mais investiu no setor, com US$13,1 bilhões. Deste total, US$7 bilhões foram apenas no Brasil, que garantiu o 1º lugar entre os investidores da AL. (Leia mais...)

 

 

 

EVENTOS

 

Descrição: http://www.revistadae.com.br/imagem.php?id=919&tipo=calendario&t=mX Latin American Workshop and Symposium on Anaerobic Digestión - De 23 a 27 de Outubro em Ouro Preto, Minas Gerais leia mais

 

 

I Congreso Internacional Perú Mágico - http://www.congresoperumagico.com/

 

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário