Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget
Ocorreu um erro neste gadget

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

TECNOLOGIAS LIMPAS AVANÇAM MESMO COM CRISE ECONÔMICA

Os investimentos privados em baixo carbono alcançaram US$ 8,99 bilhões em 2011, uma alta de 13% em relação ao ano anterior, e a projeção é de que em 2012 sejam ultrapassados todos os recordes registrados, afirma o Cleantech Group

A economia mundial passou um período de grandes turbulências em 2011, com a Europa atravessando o que é possivelmente a pior crise desde a Segunda Guerra Mundial e os Estados Unidos enfrentando muitas dificuldades internas, com um alto índice de desemprego e endividamento. Isso torna ainda mais relevantes os números positivos apresentados nesta semana pelos setores de baixo carbono.

Segundo o levantamento do Cleantech Group, uma companhia norte-americana de pesquisas sobre o mercado de tecnologias limpas, os investimentos coorporativos e de risco em energias renováveis e outros setores de baixo carbono em 2011 foram de US$ 8,99 bilhões, resultado que fica abaixo apenas dos US$ 9,5 bilhões registrados em 2008.

Além disso, as aquisições e fusões do setor alcançaram a espantosa marca de US$ 41,2 bilhões, uma alta de 153% com relação a 2010, resultado de 391 negociações.

A maior aquisição ficou por conta da DuPont, que pagou US$ 6,3 bilhões pela Danisco, uma empresa dinamarquesa de biotecnologia.

“Apesar dos problemas econômicos mundiais, os investidores continuam acreditando nas tecnologias limpas. Levando em conta nossos dados recentes, acreditamos que 2012 apresentará o recorde histórico em investimentos em baixo carbono”, afirmou Sheeraz Haji, CEO do Cleantech Group.

Entre os setores que mais receberam recursos estão a energia solar, com US$ 1,81 bilhões, a eficiência energética, US$ 1,46 bilhões, e o transporte limpo, US$ 1,12 bilhões. 

A eficiência energética foi a mais popular, com 150 acordos de financiamento. O setor solar apresentou 111 acordos e o armazenamento de energia 61.

O maior negócio de eficiência energética foi conseguido pela OSIsoft, que levantou US$ 135 milhões para seus projetos de infraestrutura e smart grid na Califórnia.

Também do estado mais rico dos EUA veio o destaque do setor solar, com a BrightSource Energy arrecadando US$ 201 milhões para desenvolver a tecnologia de energia solar concentrada para geração elétrica.

Entre as regiões, a América do Norte lidera absoluta em quantidade de investimentos privados com US$ 6,8 bilhões, uma alta de 31% com relação a 2010. A Califórnia segue sendo o destino preferido dos recursos, recebendo 54% desse total, US$ 3,7 bilhões.

 A notícia ruim é a queda de 30% nos investimentos na Europa e em Israel, que somados alcançaram US$ 1,3 bilhões. O número de acordos também caiu, sendo registrados apenas 172 contra os 256 em 2010.

Enquanto os Estados Unidos dominam os investimentos privados, a China está se consolidando como a potência mundial em tecnologias limpas por causa dos recursos públicos; foram mais de US$ 9,6 bilhões em 2011. Apenas a Sinohydro, estatal hidroelétrica, recebeu US$ 2,12 bilhões.

Apesar do Cleantech Group não disponibilizar informações sobre o Brasil, o país recentemente foi reconhecido pela consultoria Ernst & Young como um dos 10 mais atrativos para investimentos em renováveis.

Fonte: 12/01/2012   -   Autor: Fabiano Ávila   -   Fonte: Instituto CarbonoBrasil/Cleantech Group

Nenhum comentário:

Postar um comentário